Homenagem a Amália Rodrigues, por Vhils
07-julho-2015

Convidado pela Universal França a dirigir um disco de homenagem a Amália Rodrigues, o realizador Ruben Alves (de A Gaiola Dourada) juntou algumas das maiores vozes do fado contemporâneo (Ana Moura, Carminho, António Zambujo, Camané, Gisela João e Ricardo Ribeiro) para cantar o reportório amaliano.

Para a capa de Amália, asVozes do Fado, com lançamento a 17 de Julho, ao pensar no fado como música urbana, pertencente às ruas, emanada do povo, lembrou-se de pedir ao artista Vhils (Alexandre Farto) que, em colaboração com a Câmara Municipal de Lisboa, criasse uma efígie de Amália feita em pedra portuguesa.

Para Vhils, é importante para o graffiti emblemático do Maio de 68 “sous les páves, la plage” (sob a calçada, a praia), um dos momentos fundadores da street art. A imagem de Amália, que habita desde esta quinta-feira o bairro de Alfama depois de inaugurada pela vereadora da Cultura Catarina Vaz Pinto, parte do chão e segue parede acima. “A parede é importante porque transpira todas as nossas memórias e guarda a emoção do fado cantado na rua”, justificou Ruben Alves ao público. Mas importante também, acrescenta o realizador, porque a partir de hoje, “quando chover, as pedras da calçada vão chorar” como se escutassem um fado de Amália.

amalia

Texto de Carlos Alberto

Postado por: origami | Comentários: 0

    Deixe seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *